Notícias

Heineken N.V. assina acordo para aquisição da Brasil Kirin Holding S.A.

Data de publicação:

Heineken

Heineken N.V. (“Heineken”) anuncia hoje que assinou um acordo com a Kirin Holdings Company (“Kirin”) para adquirir a Brasil Kirin Holding S.A. (“Brasil Kirin”), uma das maiores fabricantes de cervejas e refrigerantes do Brasil. A transação transformará a operação da Heineken no país, aumentando sua presença e escala e fortalecendo seu portfólio de marcas. Após a conclusão da transação, a Heineken se tornará a segunda maior companhia de cervejas no Brasil, com uma plataforma comercial mais forte, que possibilitará um crescimento lucrativo nesse mercado promissor.

Cenário do mercado

O Brasil é o quinto maior país do mundo com mais de 200 milhões de pessoas. O volume de cerveja em 2015 foi de 139 milhões de hectolitros, o terceiro maior mercado global.

Embora o ambiente macroeconômico brasileiro tenha sido desafiador nos últimos anos, o potencial de longo prazo do mercado de cerveja é altamente atrativo, suportado pelo aumento da população e uma perspectiva de crescimento do PIB. Além disso, o segmento premium de cervejas, que superou o crescimento médio do mercado de cerveja nos últimos anos, tem uma participação relativamente baixa em comparação com outros mercados, proporcionando uma oportunidade de crescimento futuro.

Sobre a Brasil Kirin

A Brasil Kirin é uma das maiores fabricantes de cerveja no Brasil, operando 12 fábricas com rede de vendas e distribuição própria. Tem uma presença particularmente forte no Norte e Nordeste onde a Heineken possui atualmente uma participação menor. Possui um extenso portfólio de marcas de cerveja e sua participação no mercado brasileiro foi de 9% em 2015. Seu portfólio inclui a Schin, uma das maiores marcas de cerveja brasileiras atuante nos segmentos mainstream e economy, bem como a Devassa. Além disso, possui as marcas especiais Baden Baden e Eisenbahn, que complementarão o portfólio premium existente da Heineken.

A Brasil Kirin também possui um segmento de bebidas não alcoólicas: refrigerantes, água e outras bebidas. O portfólio de refrigerantes, que tem uma participação de mercado de 2% , inclui a icônica marca Itubaína.

Sobre a Heineken Brasil

A Heineken expandiu sua presença no Brasil com a aquisição das operações de cerveja da FEMSA – Fomento Económico Mexicano, S.A.B. de C.V em 2010. Desde então, a Heineken aumentou sua participação de mercado para 10% , liderada pela marca Heineken no segmento premium. Ao mesmo tempo, a Heineken continuou a ganhar escala com as marcas Kaiser e Bavaria e tem recentemente experimentado um forte sucesso com o lançamento de Amstel no segmento mainstream. A Heineken atualmente opera 5 cervejarias no Brasil e tem uma parceria de distribuição estratégica com os engarrafadores Coca-Cola.

Racional Estratégico

A Heineken acredita que a transação oferece benefícios estratégicos para seus negócios no Brasil. Em particular:

• Consolida a posição da Heineken no mercado brasileiro, ampliando seu alcance no país;

• Fortalece a plataforma da Heineken para acelerar o crescimento do mercado premium, especialmente com as marcas Heineken e Sol.

• Proporciona uma escala significativa para impulsionar crescimento futuro. O portfólio da Brasil Kirin é altamente complementar ao negócio de cerveja da Heineken e possibilitará o crescimento de marcas como Schin, Bavaria, Kaiser, Amstel e Devassa nos segmentos mainstream e economy.

• Aumenta ainda mais a exposição da Heineken para crescimento em mercados em desenvolvimento e permite que a companhia gere valor no longo prazo como o segundo maior fabricante de cervejas do mercado brasileiro.

Destaques Financeiros

O total a ser pago à Kirin pelas ações é o valor de 664 milhões de Euros, o que corresponde ao valor de empresa (Enterprise Value) de 1,025 milhão de Euros. Após a conclusão da transação, a Brasil Kirin será integrada à Heineken.
Os últimos resultados do ano fiscal da Brasil Kirin foram encerrados em 31 de dezembro de 2016, com receita de R $ 3.706 milhões (2015: R$ 3.698 milhões) e prejuízo fiscal antes da amortização de ágio de R$ 262 milhões (2015: R$ 322 milhões).

A Heineken espera, por meio dessa aquisição, atingir sinergias de custos, produção e logística e a otimização das cervejarias e das despesas de vendas, gerais e administrativas.
A transação possivelmente diluirá as margens da Heineken em 2017. A companhia fornecerá mais detalhes sobre a transação, incluindo os ajustes contábeis necessários, quando apropriado.
A conclusão da aquisição está sujeita às aprovações regulatórias habituais e está prevista para o primeiro semestre de 2017.
“Esta transação é transformadora nesse importante mercado de cerveja, contribuindo para o histórico de sucesso que registramos no segmento premium e fortalecendo nossa plataforma para crescimento futuro. Reitera nosso compromisso com o mercado brasileiro e a confiança em nossa capacidade de gerar resultados positivos no longo prazo em todos os segmentos do mercado. Estou ansioso para receber nossos novos colegas da Brasil Kirin na Heineken e trabalharmos juntos para o crescimento do novo negócio”, comenta, Jean-François Van Boxmeer, Chairman & CEO da Heineken.